banner-LC-NMR.jpg

As técnicas analíticas hifenadas que reúnem a espetrometria de massa e a cromatografia são ferramentas laboratoriais já consagradas. A associação entre cromatografia e RMN também já está inserida no laboratório analítico. Novos avanços já combinam as três técnicas em um único sistema de CL-RMN/RMN-EM e integram a extração em fase sólida como interface eficiente entre a cromatografia e a RMN. Existem dois fluxos possíveis.

LC Schematics

O sistema de cromatografia permite o acoplamento relativamente direto ao espectrômetro de RMN. A amostra é transferida à RMN no estado em que se encontra, ou seja, chega com a concentração e solvente fornecidos pelo sistema de cromatografia. A amostra pode ser transferida durante a separação cromatográfica e os espectros de RMN são adquiridos ou no modo em fluxo (continuamente, com a cromatografia em funcionamento), ou no modo "stop-flow" (com um pico selecionado estacionado na sonda de RMN e com a cromatografia pausada).

Em um procedimento mais sofisticado, as amostras selecionadas são estacionadas em alças de amostra e transferidas ao RMN após o fim da separação cromatográfica. Através desse procedimento, o manuseio das amostras é minimizado. Assim, após a injeção da mistura, os compostos separados são transferidos à RMN sem o ingresso de ar ou luz e sem manuseio manual da amostra. Além disso, o tempo entre a separação e o início da medição por RMN pode ser reduzido a 10 segundos.

Os sistemas de CL-RMN da Bruker são ideais para compostos sensíveis e instáveis, análises totalmente automatizadas, ou simplesmente para proporcionar uma rota conveniente e rápida entre a separação CL e os resultados da RMN. No mais novo avanço em CL-RMN, são utilizados cartuchos de extração em fase sólida (EFS) para imobilizar os picos selecionados após a separação cromatográfica. Os solventes de cromatografia são removidos e as amostras são eluídas, com solventes totalmente deuterados, dos cartuchos para uma sonda de fluxo de RMN ou para tubos de amostra padrão para RMN.

O processo de armadilha/eluição em cartucho EFS já confere uma concentração de amostra capaz de proporcionar um ganho de sensibilidade de 100% em relação à CL-RMN. Além disso, a cromatografia pode ser repetida para multiplicar o conteúdo de amostra no cartucho antes da eluição para RMN. Com isso, há material suficiente para as maiores demandas dos experimentos inversos ou para detecção de compostos em concentrações extremamente baixas.

sistema LC-SPE-NMR aumenta dramaticamente a relação sinal-ruído dos espectros de RMN por concentração de amostra. Isso o torna ideal para a elucidação estrutural com experimentos inversos mais exigentes, ou para investigação de impurezas em baixas concentrações. Além disso, os solventes de eluição totalmente deuterados criam condições padronizadas para a aquisição de espectros de RMN.

LC-NMR system

Conexão com as sondas de RMN - Sondas de Fluxo e CryoFit

A medições por RMN em sistemas de CL-(EFS)-RMN/EM exigem uma sonda de fluxo. A divisão BioSpin da Bruker desenvolveu diversas sondas de fluxo para RMN de alta resolução, com sensibilidade e configurações de RMN específicas como nas sondas normais para RMN de 5mm (i.e. geometria inversa e TXI, gradientes Z e XYZ, ATMA, etc.). Possuem célula de fluxo integrada, disponível em diversos tamanhos.

As CryoProbes™ permitem um incremento dramático de sensibilidade, por um fator de 3 a 4, no modo de operação com tubo. A Bruker também oferece o CryoFit™, que converte qualquer sonda CryoProbe padrão de 5 mm ou uma CryoProbe Prodigy em sonda de fluxo. A conversão leva poucos minutos e é feita enquanto a CryoProbes está no magneto e é resfriada. Não requer tempo de aquecimento/resfriamento.