ALPHA II Touch PLATINUM ATR FTIR

Fundamentos básicos FTIR

A espetroscopia de infravermelho (IV) baseia-se no facto de a maioria das moléculas absorverem luz na região de infravermelho do espetro eletromagnético, convertendo-a em vibração molecular. Esta absorção corresponde especificamente às ligações presentes na molécula. Com um espetrómetro, esta absorção de radiação infravermelha pelo material da amostra é medida em relação ao comprimento de onda (sob a forma de números de ondas, tipicamente de 4000–600 cm-1). 

O resultado é um espetro que fornece uma "impressão digital molecular" característica, que pode ser utilizada para exibir, varrer e identificar amostras orgânicas e inorgânicas.

ATR spectrum polycarbonate

O que é a espetroscopia de infravermelho por transformada de Fourier (FTIR)?

Em vez de irradiar sequencialmente a amostra com diferentes comprimentos de onda individuais (espetroscopia dispersiva), a FTIR permite recolher todos os dados espetrais de uma só vez. Para isto, o utilizador necessita de uma fonte de luz contínua para produzir luz sobre uma vasta gama de comprimentos de onda de infravermelho. A luz infravermelha atravessa, então, por um interferómetro, sendo depois dirigida à amostra. 

Isto produz um interferograma, um sinal bruto que representa a intensidade da luz em função da posição de um espelho. Este sinal necessita, primeiramente, de ser processado pela transformada de Fourier (FT) para produzir o gráfico de infravermelho mais familiar de intensidade em relação ao número de ondas. Daí o nome "FT-IR" ou FTIR.

Porquê utilizar FTIR?

A aquisição de espetros FTIR é muito mais rápida do que com instrumentos dispersivos convencionais. Além disso, estes espetros demonstram uma relação sinal/ruído significativamente superior e, uma vez que a escala do comprimento de onda é calibrada com um laser altamente preciso, os espetros obtidos possuem uma precisão do comprimento de onda bastante mais elevada.

Como é realizada a medição com FTIR?

Isto depende da amostra que deve ser analisada. Tipicamente, uma amostra sólida é moída com brometo de potássio transparente de infravermelho (KBr) e compactada, produzindo assim uma pastilha; a amostra pode ainda ser finamente cortada e colocada numa janela KBr; já os líquidos são diretamente medidos ou diluídos com um solvente transparente de infravermelho, p. ex., CCl4.

Esta laboriosa preparação está atualmente a ser substituída pela espetroscopia FTIR ATR, uma técnica maioritariamente não destrutiva e adequada para a análise de sólidos e líquidos nos seus estados atuais.

O que é ATR?

ATR significa reflexão total atenuada e tornou-se na técnica padrão para a medição de espetros FTIR. A luz infravermelha atravessa um cristal de um determinado material (diamante, ZnSe ou germânio) e interage com a amostra, que é compactada no cristal.

A partir daqui é obtido um espetro que exibe todas as características específicas de uma substância, sendo que a relação de intensidade das bandas de absorção observadas pode divergir de um espetro tradicional, devido aos efeitos físicos..

Para saber mais sobre a análise FTIR, descarregue o nosso tutorial interativo de infravermelho ou veja a nossa série de vídeos educativos. Nestes vídeos, tentamos fornecer um tutorial, passo a passo, sobre como medir espetros FTIR e avaliar os dados obtidos.

Coming soon!